CidadesPlantão Policial

POLÍCIA CIVIL APURA MORTE DE RECÉM-NASCIDA EM PRONTO-SOCORRO

A Polícia Civil de Birigui investiga a morte de uma recém-nascida depois que ela tomou as primeiras vacinas contra a paralisia infantil, o tipo pneumocócica e outras doenças no mês de julho deste ano na UBS (Unidade Básica de Saúde) do bairro João Crevelaro. A morte aconteceu um dia depois e a família da criança alega que não foi realizado o teste de glicemia, já que no momento da internação no Pronto-Socorro Municipal, a taxa de glicose no sangue da bebê estava acima de 300. Em Birigui, é lei que todas as crianças com até seis anos de idade passem pelo teste, depois da morte de uma menina de um ano de idade em 2015.

Leandro Maciel Domingos, pai da pequena Heloísa Montanari Domingos, que tinha apenas dois meses de vida, ainda custa a acreditar no que ocorreu. Foi a primeira filha dele e da esposa. O pedreiro recebeu a reportagem do jornal O LIBERAL REGIONAL na casa que mora. Bastante emocionado, ele contou que a gestação da mulher aconteceu sem nenhum problema. O acompanhamento médico foi realizado durante toda a gravidez. No dia do parto estava programado um procedimento de cesariana, mas os médicos chegaram a descartá-lo e fizeram parto normal.

“Não ficou constatado em nenhum momento que a minha filha e a minha esposa pudessem ter diabete”, disse.

Um mês após o nascimento, Heloísa passou mal e teve que ser levada até o Pronto-Socorro Municipal. A criança respirava com muita dificuldade. Ela foi medicada e liberada na sequência. Segundo o pai, nesse primeiro dia não foi realizado nenhum teste de glicemia na filha.

Já no mês passado, a família levou a recém-nascida para tomar as primeiras vacinas. Ainda segundo Leandro, nesse dia também não foi feito nenhum teste de glicemia na filha. “As enfermeiras me orientaram que a Heloísa ia ficar mais quietinha por conta da vacina e passaram as informações de como proceder. Caso ela tivesse febre, me receitaram um medicamento. Eu fui embora pra casa”, contou.

As horas foram passando e os pais perceberam que a filha realmente estava mais quieta, mas até então permanecia sem nenhuma anormalidade. Na manhã do dia seguinte, em 12 de julho, a recém-nascida começou a passar mal, vomitar e ter diarreia. Imediatamente, os pais a levaram até o Pronto-Socorro Municipal. “Depois que ela entrou lá não ficamos sabendo de mais nada. Cerca de 30 minutos depois me informaram que ela tinha falecido”, disse emocionado.

INVESTIGAÇÃO
O laudo emitido pela unidade hospitalar diz que são indeterminadas as causas da morte de Heloísa. O corpo foi levado ao IML (Instituto Médico Legal) onde passou por exame necroscópico. O laudo ainda não foi divulgado. A Polícia Civil do município abriu inquérito e registrou o caso como morte suspeita.

LEI VALENTINA
É lei em Birigui, desde 2015, que todas as UBSs (Unidades Básicas de Saúde) e o Pronto-Socorro Municipal façam o teste de glicemia nas crianças de zero a seis anos, 11 meses e 29 dias de vida. O objetivo é detectar de forma precoce o diabetes tipo 1, mais comum no público infantil. A lei sancionada na época pelo prefeito Pedro Bernabé, é aplicada na rede municipal de saúde em parceria com a ADJ (Associação de Diabetes Juvenil da Região Noroeste Paulista). Ela foi batizada em homenagem a Valentina de Oliveira França, que faleceu em abril de 2013, com apenas um ano e nove meses, vítima da doença.

POSICIONAMENTO
A Secretaria de Saúde de Birigui informou por meio de nota enviada ao jornal O LIBERAL REGIONAL que está realizando normalmente o teste de diabetes e se sensibiliza com o ocorrido. A pasta disse também estar de portas abertas para amparar a família.

“Profissionais da Secretaria de Saúde de Birigui já estiveram reunidos com profissionais da ADJ (Associação de Diabetes Juvenil da Região Noroeste Paulista) e, juntos, estão investigando o caso. Não há, por ora, como afirmar que a causa do falecimento tenha ligação com diabetes. A Secretaria de Saúde aguarda o laudo médico do IML”, concluiu a nota.

O prefeito do município, Cristiano Salmeirão, também se manifestou sobre o caso. “Estamos sensíveis ao ocorrido e estou totalmente solidário aos familiares. Vamos apurar com detalhes este terrível fato. Meus sinceros sentimentos aos pais”.

Da Redação

marcio123rocha Administrator
Sorry! The Author has not filled his profile.
×
marcio123rocha Administrator
Sorry! The Author has not filled his profile.

Comment here