PM reforça tropa para evitar resgate de líderes do crime organizado

Pela terceira vez este ano, o serviço de inteligência da polícia paulista descobriu plano para resgate de líderes de facção criminosa que estão presos na Penitenciária II (P II) de Presidente Venceslau, entre eles Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola. A primeira foi em março, a segunda em outubro e a terceira neste início de novembro. Tropas de elite da Polícia Militar de São Paulo, como a Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar e o Comando de Operação Especiais, estão reforçando a tropa de segurança no perímetro da penitenciária. Até mesmo o armamento foi reforçado. Há poucos dias, policiais da Rota participaram de treinamento com a metralhadora .50 (arma de guerra), no quartel do Batalhão de Infantaria Leve, em Lins. A PM pediu ao Exército a cessão deste tipo de arma para fazer a contenção na área dos presídios.
Os serviços de inteligência da polícia e da própria Secretaria de Administração Penitenciária trabalham para impedir qualquer ação de resgate de criminosos. O primeiro caso ocorreu em fevereiro de 2014 e o segundo, em março deste ano. No início de outubro deste ano, tropas de elite foram deslocadas para presidente Venceslau e chegaram a circular pela cidade. Até mesmo o aeroporto, que fica na região dos presídios, foi fechado para impedir qualquer ação criminosa.
De acordo com apuração da reportagem, o serviço de inteligência detectou um plano com uso de aeronaves para resgate. Diante disso, a Segurança Pública decidiu pôr em funcionamento o plano de contenção. Além dos policiais das tropas especiais – COE e Rota -, foram deslocados para a região homens de tropas de batalhões de Bauru, de Araçatuba e de Aandradina.

NOVO PLANO
O novo plano de resgate detectado pelos serviços de inteligência aponta que os criminosos estão dispostos a investir R$ 100 milhões em uma verdadeira operação de guerra, que teria o reforço de mercenários que atuam no mundo árabe, na África e até mesmo das Farc (Colômbia). O plano prevê o lançamento de foguetes e uso de metralhadoras.
Para reforçar os planos de contenção, A Polícia Militar de São Paulo enviou metralhadoras MAG, calibre 7,62 mm, para agentes da corporação que cobrem o perímetro da Penitenciária 2 de Presidente Venceslau. A corporação está negociou com o Exército o empréstimo de metralhadoras de calibre .50. Homens das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota) foram treinados na semana passada para usar esse tipo de armamento no quartel de Lins.

USO DE DRONES
Agentes de segurança já detectaram que drones estão sendo usados para fazer o levantamento da área. Os aparelhos podem ser usados até mesmo para traçar estratégia de ação e rota de fuga dos criminosos.
As forças de segurança que estão atuando no perímetro da Penitenciária 2 de Presidente Venceslau, detectaram na noite desta segunda-feira (5), o sobrevoo de dois drones na região. A suspeita é que os aparelhos tenham sido usados por integrantes da facção criminosa para verificar o dispositivo de segurança desdobrado nas proximidades da penitenciária que abriga a cúpula da facção. Polciciais das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota) perseguiram os drones até a cidade vizinha de Caiuá. Os policiais, no entanto, perderam o contato com os aparelhos.

a7 Rota.jpg

EXÉRCITO
O Comando Militar do Sudeste (CMSE) confirmou que o Batalhão de Infantaria Leve de Lins é usado para o treinamento de policiais militares independentemente da situação criada pelo crime organizado no estado.
O Exército colabora em ações da polícia. Em 2006, durante ataque às forças de segurança, cedeu helicópteros para transporte rápidos de tropa. Agora mais uma vez a PM está buscando apoio, mas apenas de equipamento, sem envolvimento da tropa.

DA REDAÇÃO
Presidente Venceslau

você pode gostar também