Araçatuba

Número de professores faltosos na rede municipal de ensino tem queda de 25,98%

Prestes a terminar o ano letivo, a rede municipal de ensino, em Araçatuba, tem um dado a comemorar. O número de servidores da educação com registros de faltas neste ano diminuiu em relação ao contablizado em 2017.
Segundo a Prefeitura, na comparação entre o último ano e o atual, esse montante caiu 25,98%.
Entre 1º de janeiro e 31 de dezembro do ano passado, 600 trabalhadores do setor apresentaram atestados, totalizando 12.624 dias de falta se for considerada a quantidade de ausência de cada funcionário. Já de 1º de janeiro a 30 de outubro deste ano, foram 449 faltosos, resultando 9.344 dias sem trabalhar.
Estas informações constam em resposta da gestão do prefeito Dilador Borges (PSDB) a requerimento do vereador Cláudio Henrique da Silva (PMN), encaminhada à Câmara Municipal no último dia 8.
No mês passado, o parlamentar, que é professor, havia entrado com pedido de informações referente à quantidade de atestados médicos apresentada na Secretaria Municipal de Educação.
Conforme a pasta, a redução é atribuída à concessão do bônus-educação, que premiou em dinheiro, de forma escalonada, no final do ano passado, os professores que tiveram poucas faltas ou até mesmo nenhuma ausência no ano letivo, exatamente como Cláudio havia comentado em discurso no Legislativo, no dia da aprovação.

DIVISÃO
De acordo com as estatísticas oficiais, licenças de 15 dias para tratamento de saúde lideram o número de pedidos de afastamento. Só neste ano, foram 387, ou seja, 86% do total registrado em 2018.
Em seguida, vem licença para tratamento de pessoa da família por até 30 dias, com 181 pedidos. E, por fim, complemento de licença para tratamento de saúde, com 53.
Quanto à ordem dos pedidos mais frequentes, 2018 não apresentou diferenças em relação a 2017.
No ano passado, 535 servidores pediram licenças para tratamento de saúde por 15 dias, representando 89,1% do total. De licenças para tratar de pessoas da família, foram feitos 271 pedidos. Enquanto de complemento de licença para tratar de saúde, o número chegou a 61. Houve ainda, no último ano, três pedidos de licença para tratamento com prejuízo de um terço.

ANÁLISE
Para a secretária municipal de Educação, Silvana de Sousa e Souza, o bônus R$ 500, pago em dezembro do último ano, valorizou os servidores da pasta. “Isso pode explicar, em grande parte, a redução de 25% que registramos”, disse ela. A titular da rede municipal de ensino, no entanto, faz uma observação.
Segundo ela, casos que evidenciam “faltas pontuais”, como de licença médica por um ou dois dias, chegaram a cair em 50%. “Percebemos, assim, que muitos professores se organizaram”, observa Silvana. Conforme a secretária, hoje, o município tem aproximadamente mil professores.

Concessão de novo bônus é aguardada por categoria

A reportagem apurou que a concessão de um novo bônus-educação, para o próximo mês, é aguardada pelos servidores da Secretaria de Educação. A definição, pelo sim ou pelo não, deve sair nos próximos dias.
Em 2017, o bônus de R$ 500 foi concedido a todos os funcionários da pasta que estão prestando serviço efetivamente nas unidades de ensino da Prefeitura, não apenas professores. Até mesmo servidores contratados temporariamente; pertencentes ao Estado, mas a disposição do Município; e do antigo Daea (Departamento de Água e Esgoto de Araçatuba) transferidos para a secretaria foram beneficiados.
O valor não foi incorporado ao salário.
Para aqueles que não registraram nenhuma ausência, o benefício chegou a R$ 1,8 mil. Quem deixou de ir trabalhar por até cinco vezes recebeu R$ 1,3 mil a mais. Para quem faltou de seis a dez vezes, R$ 1 mil.
Já para os trabalhadores que tiveram de 11 a 15 ausências, R$ 700.
Na ocasião, o prefeito justificou que a medida buscava “retribuir pecuniariamente” o compromisso dos funcionários com a educação, além de valorizar aqueles que se destacavam pela assiduidade.

ARNON GOMES
Araçatuba

Comment here