Araçatuba

Com piscina reestruturada e bem adaptada, Apae vai dinamizar atividades com crianças

Sob olhares marejados, a fisioterapeuta Valesca Penteado Fabretti foi a primeira a testar a piscina da sede da Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), ontem, em Araçatuba, na entrega de sua reforma. Tamanha emoção se justificava pela possibilidade de dinamização do atendimento às mais de 400 crianças assistidas na entidade. Com uma delas no colo, Valesca dava voltas, grantindo relaxamento e tranquilidade ao menino.
E é esse melhor aproveitamento que a profissional espera daqui para frente. Fruto de um investimento de quase R$ 340 mil, as melhorias contemplaram a colocação de cobertura no espaço e a colocação de elevador para facilitar a entrada de cadeirantes. Essa estrutura, explica Valesca, contribuirá com as atividades de hidroterapia, que, segundo ela, dependem de temperatura variante de 33 a 35 graus. “Com essa adequação, a piscina estará aquecida e coberta. Com sol ou chuva, poderemos usá-la o ano inteiro”, destacou a fisioterapeuta.
Ela ressalta que, assim, espera garantir o fortalecimento e o alongamento das crianças. “Normalmente, elas têm pouco movimento, com articulação bem travadinha, bem durinha. Para conseguir esse relaxamento e amplitude de movimento, quando fazemos atividades em sala, é mais demorado. Na água, é automático. Isso porque, a partir do momento em que entram, vão relaxando, a temperatura ajuda e melhora a circulação”, explica.
Todo esse trabalho, acredita ela, vai implicar no ganho de qualidade de vida. Hoje, a Apae já oferece a seus assistidos a hidroterapia e a natação. E como todas as crianças “amam a água”, diz ela, Valesca já planeja atividades com brinquedos, bolas e outros trabalhos voltados ao equilíbrio. “Com piscina coberta, temperatura correta e elevador, vamos ampliar nossas atividades, jogar biribol, fazer natação…”, destaca.

RECURSO
Para viabilizar as melhorias na piscina, a Apae contou com recursos federais. Do total investido, R$ 300 mil resultaram de emenda parlamentar apresentada ao orçamento da União pelo deputado federal Márcio Alvino (PR-SP). A demanda foi levada ao parlamentar pelo vereador araçatubense Gilberto Batata Mantovani (PR).
O dinheiro, no entanto, acabou não sendo suficiente. O custo da obra ficou em R$ 308 mil. Para cobrir a despesa, destaca a presidente da instituição, Maria Carolina Correa Paoliello, foram feitos vários eventos. Da mesma forma, ressalta ela, para conquistar os R$ 28 mil necessários para compra e implantação elevador.
“Era uma obra necessária, que ficou pronta faz um mês. Temos uma piscina muito grande. Só que o ano todo estava gelada. Era, então, uma obra que precisávamos muito”, destacou ela.

ARNON GOMES
Araçatuba

Comment here